Buteo nitidus (Latham, 1790)

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Gavião Pedrês, Gavião Cinza, Gavião Pintado.

História Natural

O Gavião Pedrês é um gavião relativamente comum, encontrado em bordas de matas, savanas e áreas abertas com árvores. Não costuma ocupar o interior de florestas densas, e pode habitar matas alteradas ou fragmentadas, sendo relativamente adaptável. No Cerrado, pode ser visto em matas de galeria, matas secas, cerradões, cerrados típicos e campos sujos. Fica muito tempo empoleirado, atento ao solo para caso alguma presa apareça, e pode ser visto planando, se sustentando nas correntes térmicas das horas mais quentes das manhãs, embora não plane muito alto ou por muito tempo. Seus hábitos são semelhantes ao do Gavião Carijó, embora seja menos comum, mais ágil e poderoso que ele. Caça atacando diretamente de um poleiro, mas pode manobrar entre as árvores para perseguir suas presas, que incluem lagartos, como o Bico Doce, cobras, aves, como o Saí de Perna Amarela e alguns periquitos (família Psittacidae), roedores, e insetos grandes, como gafanhotos e besouros. Faz seu ninho com gravetos e galhos secos no alto das árvores, geralmente na borda da mata, onde põe de 2 a 3 ovos. O macho costuma trazer alimento para a fêmea e filhotes durante as primeiras semanas de vida destes, e após esse período a fêmea passa a colaborar mais nesta tarefa. Durante a reprodução se torna territorialista, podendo atacar outros rapinantes que se aproximem da área de seu ninho, como o Falcão Peregrino.

Descrição

Mede de 38 a 46 cm de comprimento. Sua coloração geral é cinza claro, com as costas levemente mais escuras, e um fino padrão barrado claro do peito pra baixo, inclusive nas costas. Sua cauda é preta com duas a três barras brancas, além de uma fina faixa clara na extremidade. Suas patas e a base de seu bico são amarelas, e seu olho é castanho escuro.

Distribuição

Ocorre do sul da Costa Rica até o Paraguai e o norte da Argentina, principalmente a leste dos Andes, com uma área de ocorrência no oeste do Equador. No Brasil está presente nas regiões Norte, Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerado ameaçado (ICMBio e IUCN), porém suas populações podem estar declinando (IUCN).

Referências

Bierregaard, R. O., P. F. D. Boesman, and J. S. Marks (2020). Gray-lined Hawk (Buteo nitidus), version 1.0. In Birds of the World (J. del Hoyo, A. Elliott, J. Sargatal, D. A. Christie, and E. de Juana, Editors). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. https://doi.org/10.2173/bow.gryhaw3.01

 

BirdLife International. 2016. Buteo nitidus. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22727766A94961368. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22727766A94961368.en. Downloaded on 05 July 2020.

 

Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Haverschmidt, F. (1962). Notes on the Feeding Habits and Food of Some Hawks of Surinam. The Condor, 64(2), 154–158.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

 

Menq, W. (2018). Gavião-pedrês (Buteo nitidus). Aves de Rapina Brasil. Recuperado em 5 de julho, 2020, de http://www.avesderapinabrasil.com/buteo_nitidus.htm

 

Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Vargas-Masís, R., & Ramírez, O. (2012). Defensa territorial de Buteo nitidus y Quiscalus mexicanus ante depredación de Falco peregrinus en el Valle Central de Costa Rica. Zeledonia, 16, 15-24.


Wikiaves. (2018). Gavião-pedrês. Recuperado em 5 de julho, 2020, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/gaviao-pedres

);