Spizaetus melanoleucus (Vieillot, 1816)

Nome(s) popular(es)

Gavião Pato, Apacanim, Apacanim Branco.

História Natural

O Gavião Pato é uma águia florestal rara, de hábitos pouco conhecidos. Habita uma diversidade de ambientes florestais, desde matas densas até áreas semiabertas e cerrados mais arbóreos, preferindo as florestas próximas de campos ou savanas, onde gosta de caçar. No Cerrado está presente principalmente nas matas de galeria, matas secas e cerradões, além de poder ser visto nos cerrados típicos, campos sujos e campos limpos. Vive solitário ou em pares, e costuma planar bastante, aproveitando as correntes térmicas das horas mais quentes das manhãs para se sustentar nas alturas, de onde tem uma boa visão da área e pode encontrar potenciais presas. É um predador ágil e poderoso, especializado em caçar aves. Além de buscar suas presas enquanto plana alto, pode espreitar em um poleiro exposto ou no interior da mata, investindo com um mergulho veloz ao encontrar uma, e geralmente as capturando em pleno ar. Assim, pode consumir uma variedade de aves, como Japus, Biguás, a Asa Branca e outros pombos (família Columbidae), o Pato Mergulhão, o Irerê e outros patos (família Anatidae), tucanos (família Ramphastidae), papagaios e periquitos (família Psittacidae), garças (família Ardeidae) e urus (família Odontophoridae). Ocasionalmente também pode capturar lagartos, anfíbios e pequenos mamíferos, inclusive primatas. Faz seus ninhos volumosos com gravetos e galhos secos, no alto de árvores grandes, onde geralmente põe um único ovo. Costuma reutilizar o ninho em diferentes ciclos reprodutivos. O macho fica responsável por trazer alimento à fêmea e ao filhote durante o início da reprodução, e o filhote fica dependente dos pais durante bastante tempo, por volta de um ano. Antes da reprodução, o casal faz belas exibições aéreas em conjunto, planando alto em círculos, perseguindo um ao outro e se agarrando no ar pelas garras.

Descrição

Mede de 53 a 61 cm de comprimento. Sua plumagem é branca na cabeça, pescoço, peito, barriga e pernas, que também são emplumadas. Suas costas e dorso das asas são pretos, assim como um penacho curto que possui no alto da cabeça. Seu olho é amarelo, envolto por uma mancha preta que forma uma espécie de máscara entre ele e a base do bico, que é de um laranja vivo com a ponta negra. Suas patas são amarelas, fortes e com garras compridas. Por baixo, suas asas e caudas são brancas com um padrão barrado de preto.

Distribuição

Ocorre de forma ampla porém descontínua, do México ao norte da Argentina. No Brasil está presente em boa parte do território, ausente apenas do extremo sul e da maioria da região Nordeste, nesta ocorrendo no sul da Bahia, Maranhão extremo oeste do Piauí.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerado ameaçado (ICMBio e IUCN), porém suas populações estão declinando, principalmente nas regiões de Mata Atlântica, e o desmatamento e degradação ambiental são suas principais ameaças.

Referências

Adams, D. B., & Williams, S. M. (2017). Fatal attack on a Rylands’ bald-faced saki monkey (Pithecia rylandsi) by a black-and-white hawk-eagle (Spizaetus melanoleucus). Primates, 58(2), 361–365.

 

BirdLife International. 2016. Spizaetus melanoleucus. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22696120A93546145. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22696120A93546145.en. Downloaded on 10 July 2020.

 

Canuto, M. (2008). First description of the nest of the Black-and-white Hawk Eagle (Spizaetus melanoleucus) in the Brazilian Atlantic rainforest, southeastern Brazil. Ornitología Neotropical, 19: 607-610. 

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

Menq, W. (2015). Observações comportamentais do gavião-pato Spizaetus melanoleucus (Accipitriformes, Accipitridae) no Estado do Paraná, Brasil. Arquivos de Ciencias Veterinárias e Zoologia da UNIPAR, 18(3): 175-178.

 

Menq, W. (2020). Gavião-pato (Spizaetus melanoleucus). Aves de Rapina Brasil. Recuperado em 10 de julho, 2020, de http://www.avesderapinabrasil.com/spizaetus_melanoleucus.htm

 

Menq, W., & Delariva, R. (2015). Aves de rapina (Cathartiformes, Accipitriformes, Strigiformes e Falconiformes) na Reserva Biológica das Perobas, Paraná, Brasil, e seu entorno. Biotemas, 28(4): 145-154.

 

Sick, H. (1997). Ornitologia brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Tate, A. R. (2020). Black-and-white Hawk-Eagle (Spizaetus melanoleucus), version 1.0. In Birds of the World (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. https://doi.org/10.2173/bow.bawhae1.01

 

Wikiaves. (2018). Gavião-pato. Recuperado em 10 de julho, 2020, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/gaviao-pato

 

Willis, E. O. (1988). A hunting technique of the Black-and-white Hawk-Eagle (Spizastur melanoleucus). The Wilson Bulletin, 100(4), 672-675.


Zilio, F. (2017). Breeding biology and conservation of hawk-eagles (Spizaetus spp.) (Aves, Accipitridae) in southern Atlantic Forest, Brazil. Iheringia. Série Zoologia, 107.

);