Geranoaetus albicaudatus (Vieillot, 1816)

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Gavião de Rabo Branco, Curucuturi, Gavião Branco, Gavião de Cauda Branca, Gavião Fumaça.

História Natural

O Gavião de Rabo Branco é um gavião imponente e robusto. Relativamente comum, é típico de áreas mais abertas, habitando campos, savanas, regiões montanhosas e locais com árvores espaçadas, incluindo pastos, plantações e proximidades urbanas. No Cerrado, pode ser encontrado nos cerrados típicos, veredas, cerradões, campos sujos e campos limpos. Pode ser visto empoleirado em árvores baixas ou até postes na beira de estradas, mas costuma planar bastante nas correntes térmicas, em círculos e a grandes alturas, ou pode pairar a menor altura, usando as asas e caudas habilmente contra o vento para se manter parado no ar enquanto vasculha o solo. Esse comportamento, parecido com o “peneirar” do Gavião Peneira, mas que usa a força do vento a favor e com batidas de asas mínimas, é típico do Gavião de Rabo Branco. É um caçador astuto e oportunista, se alimentando de uma diversidade de pequenos animais, como cobras e lagartos, anfíbios, pequenos roedores e marsupiais, outras aves, como o Martim Pescador, insetos maiores, até morcegos. Caça de diferentes formas, podendo espreitar e investir a partir de um poleiro, procurar presas pelos campos enquanto plana alto, ou pairando contra o vento mais próximo do solo. Pode se aproximar de estradas em busca de animais atropelados, e de queimadas, em busca de animais espantados pelo fogo e pela fumaça, os capturando no chão ou em pleno ar. Faz seus volumosos ninhos com gravetos, sobre árvores isoladas e não muito altas, onde põe de 1 a 3 ovos, e pode reutilizá-los em diferentes ninhadas.

Descrição

Mede entre 51 e 61 cm de comprimento. Possui a cabeça, garganta, laterais do pescoço e do peito cinza escuro, assim como as costas e o dorso das asas. Seu ventre é branco, incluindo o peito. Possui uma larga mancha castanho avermelhado na região dos ombros. Por baixo, suas asas são brancas com bordas negras, e um fino padrão barrado que pode se estender até as laterais da barriga. Sua cauda é branca com uma faixa preta próxima da ponta. Alguns indivíduos, embora seja menos comum, possuem uma coloração totalmente negra no dorso e no ventre, preservando porém os padrões sob a cauda e a asa. Os padrões sob a cauda, além de seu tamanho geral, ajudam a diferenciá-lo de outros gaviões e águias (família Accipitridae) que se assemelham quando em voo, como o Gavião de Cauda Curta, menor e com mais faixas na cauda, e a Águia Chilena, maior e com a cauda toda cinza.

Distribuição

Ocorre largamente pelas Américas, estando presente em diversas regiões da América Central e do Norte, até o extremo sul dos Estados Unidos, e de forma ampla na América do Sul, incluindo Colômbia, Venezuela, Guianas e Suriname, Brasil, Bolívia, Paraguai, Uruguai e Argentina. No Brasil está presente em todo o território.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerado ameaçado (ICMBio e IUCN), e suas populações podem estar aumentando (IUCN). Sua preferência por áreas abertas e sua alimentação generalista contribuem para que se adapte bem à áreas agrícolas e urbanas.

Referências

BirdLife International. 2016. Geranoaetus albicaudatus. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22695906A93533542. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22695906A93533542.en. Downloaded on 28 June 2020.

 

Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.

 

Farquhar, C. C. (2020). White-tailed Hawk (Geranoaetus albicaudatus), version 1.0. In Birds of the World (A. F. Poole, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. https://doi.org/10.2173/bow.whthaw.01

 

Granzinolli, M. A. M. (2003). Ecologia Alimentar do gavião-do-rabo-branco Buteo albicaudatus (Falconiformes: Accipitridae) no município de Juiz de Fora, sudeste do estado de Minas Gerais (Tese de mestrado, Universidade de São Paulo).

 

Granzinolli, M. A. M., & Motta-Junior, J. C. (2007). Feeding ecology of the White-tailed Hawk (Buteo albicaudatus) in south-eastern Brazil. Emu – Austral Ornithology, 107(3), 214–222.

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

 

Menq, W. (2018). Gavião-de-rabo-branco (Geranoaetus albicaudatus). Aves de Rapina Brasil. Recuperado em 28 de junho, 2020, de  http://www.avesderapinabrasil.com/buteo_albicaudatus.htm

 

Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Tubelis, D. P. (2009). Veredas and their use by birds in the Cerrado, South America: a review. Biota Neotropica, 9(3), 363-374.

 

Wikiaves. (2018). Gavião-de-rabo-branco. Recuperado em 28 de junho, 2020, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/gaviao-de-rabo-branco

);