Rupornis magnirostris (Gmelin, 1788)

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Gavião Carijó, Anajé, Gavião Indaié, Gavião Pinhel, Gavião Pega Pinto, Pega Pinto, Papa Pinto, Inajé, Gavião Pinhé, Indaié.

História Natural

Ave muito comum, é encontrado em uma grande diversidade de ambientes, sendo menos abundante no interior de áreas densamente florestadas. Normalmente é o gavião (família Accipitridae) mais comum pelo Brasil, principalmente em áreas urbanas. Habita bordas de matas, savanas, florestas menos densas, campos permeados por árvores e arvoredos urbanos. No Cerrado pode ser encontrado em matas de galeria, matas ciliares, matas secas, cerradões, cerrados típicos, veredas e campos sujos. Costuma planar em círculos, aproveitando as correntes térmicas para se sustentar no ar. Também fica muito tempo pousado em árvores, postes, cercas, e costuma ser visto nas margens de rodovias. Vive solitário ou mais frequentemente em pares, e costuma vocalizar bastante, com um chamado bem característico, agudo e anasalado, motivo de alguns de seus nomes populares. Seu chamado lembra o do Carrapateiro, porém o deste é mais estridente e arranhado. Usa o chamado constantemente para manter domínio sobre seu território, e costuma utilizar o mesmo poleiro repetidamente. É um caçador oportunista com uma dieta bem variada, o que contribui para sua abundância e facilidade de se adaptar a ambientes urbanos ou levemente alterados. Se alimenta de insetos (besouros, lagartas, gafanhotos, abelhas, formigas, cigarras, etc.), aranhas e escorpiões, lagartos, cobras, anfíbios, aves (tanto adultos quanto jovens e ovos em ninhos), e pequenos mamíferos, como roedores, marsupiais e morcegos. Costuma caçar a partir de um poleiro, se atirando sobre a presa quando a avista. Pode seguir grupos de formiga de correição para capturar os pequenos animais espantados por elas, e se aproximar de queimadas interessado nos animais mortos pelo fogo. Pode ser predado pela Jiboia. Faz seus ninhos com gravetos sobre árvores, entre 3 e 15 metros de altura, pondo de 1 a 2 ovos. A fêmea se responsabiliza pela incubação enquanto o macho traz alimento para ela, e enquanto não caça se mantém vigilante próximo ao ninho, vocalizando muito e podendo se tornar agressivo contra intrusos, atacando até mesmo humanos que se aproximem.

Descrição

Mede entre 33 e 41 cm de comprimento. Possui uma grande variedade de coloração, que no geral possuem tons cinzentos e pardos, com cabeça e dorso mais escuros se contrastando com peito e barriga barrados. A cor da cabeça, costas e partes superiores das asas varia entre um tom cinza pardo a um castanho escuro. O peito, barriga e coxas são esbranquiçados, com um barrado creme claro alaranjado. As penas das extremidades das asas são castanhas avermelhadas, podendo ser vistas quando em voo. Sua cauda é barrada, com três barras negras e três brancas, além das extremidades brancas. A base de seu bico e as patas são amarelas, com olho amarelo claro.

Distribuição

Possui uma ampla distribuição pelas Américas, ocorrendo do norte do México à Argentina central, incluindo todos os países sul americanos com exceção do Chile. No Brasil está presente em todo o território.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerado ameaçado (ICMBio e IUCN), e suas populações estão aumentando (IUCN). Graças a sua boa adaptação a ambientes modificados e preferência por áreas não densamente florestadas, pode acabar se beneficiando com um pouco de desflorestamento, sendo o gavião mais comum em áreas urbanas e alteradas.

Referências

Beltzer, A. H. (1990). Biología alimentaria del Gavilán Comun Buteo magnirostris saturatus (Aves: Accipitridae) en el valle aluvial del Rio Paraná medio, Argentina. Ornitología Neotropical, 1(1,2), 3-8.

 

Bierregaard, R. O., P. F. D. Boesman, and G. M. Kirwan (2020). Roadside Hawk (Rupornis magnirostris), version 1.0. In Birds of the World (J. del Hoyo, A. Elliott, J. Sargatal, D. A. Christie, and E. de Juana, Editors). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. https://doi.org/10.2173/bow.roahaw.01

 

BirdLife International. 2016. Rupornis magnirostris. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22695880A93531219. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22695880A93531219.en. Downloaded on 24 May 2020.

 

Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Haverschmidt, F. (1962). Notes on the feeding habits and food of some hawks in Surinam. Condor, 64(2), 154–158.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

 

Menq, W. (2018). Gavião-carijó (Rupornis magnirostris). Aves de Rapina Brasil. Recuperado em 24 de maio, 2020, de   http://www.avesderapinabrasil.com/rupornis_magnirostris.htm

 

Panasci, T. (2012). Roadside Hawk. Pp. 152–163 in: Whitacre, D.F. (ed.) Neotropical Birds of Prey: Biology and Ecology of a Forest Raptor Community. Cornell University Press, Ithaca, New York.

 

Panasci T., Whitacre, D. (2000). Diet and Foraging Behavior of Nesting Road-side Hawks in Pete´n, Guatemala. Wilson Bulltin, 112(4), 555-558.

 

Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Tubelis, D. P. (2009). Veredas and their use by birds in the Cerrado, South America: a review. Biota Neotropica, 9(3), 363-374.


Wikiaves. (2020). Gavião-carijó. Recuperado em 24 de maio, 2020, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/gaviao-carijo

);