Rosthramus sociabilis (Vieillot, 1817)

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Gavião Caramujeiro, Gavião Aruá (AP).

História Natural

Gavião associado a ambientes úmidos e alagados, frequenta brejos, lagos, rios, pântanos e banhados. É localmente comum, o que significa que nas áreas em que ocorre, se encontra de forma abundante, além de ser facilmente observado devido a seus hábitos extremamente sociáveis e por pousar em poleiros altos e expostos. No Cerrado habita veredas, campos alagados, matas de galeria e matas ciliares. Sua dieta é uma das mais especializadas dentre todos os gaviões (família Accipitridae), pois se alimenta quase que exclusivamente de caramujos aquáticos. Quando os caramujos estão mais escassos, também pode se alimentar de caracóis de água doce e caranguejos. Seu bico delgado e bastante curvo é muito bem adaptado para retirar o corpo mole dos caramujos de dentro da concha sem quebrá-la, diferentemente do Gavião Caracoleiro, que também se alimenta de caramujos mas que, porém, costuma quebrar a concha para retirar os moluscos de dentro, além de possuir uma dieta mais variada que o Gavião Caramujeiro. Costuma voar lento e baixo sobre os brejos, à procura de um caramujo, e ao encontrá-lo o captura com uma pata e voa até um poleiro habitual onde vai repetidamente, para se alimentar, deixando um amontoado de conchas vazias largadas abaixo. Seus hábitos sociáveis também são notáveis, pois se reúne em grandes grupos de até centenas de indivíduos para passar a noite em poleiros, se alimentar ou para buscar outro lugar onde os caramujos estejam mais abundantes, quando os gaviões podem ser vistos planando alto. Já foi observado um grupo com cerca de 1000 indivíduos. Faz seus ninhos com gravetos em cima de arbustos ou árvores, nas proximidades da água e em grandes colônias, pondo de 2 a 3 ovos.

Descrição

Mede entre 40  48 cm de comprimento. Sua característica mais notável é o bico, bem afilado e muito curvo na ponta, terminando num gancho proeminente. Suas garras também são finas e compridas. A coloração é diferente entre os sexos. O macho possui plumagem praticamente toda preta, com a base do bico e a pele nua entre este e o olho amarelo vivo bem contrastante. Seu olho é vermelho e as patas são amarelo alaranjado. Sua cauda possui a base branca, seguida de uma larga faixa preta e terminada em pontas brancas. A fêmea possui uma coloração menos uniforme, de um marrom escuro com padrões estriados de castanho nas costas e nuca, face e garganta cremes, com uma faixa escura se estendendo atrás do olho até a nuca, e peito e barriga estriados de creme e marrom escuro.

Distribuição

Possui ampla distribuição pelas Américas, ocorrendo no extremo sudeste dos Estados Unidos, partes do México e da América Central, e grande parte da América do Sul, da Colômbia ao Uruguai e Argentina. No Brasil está presente em todo o território.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerado ameaçado (ICMBio e IUCN), e suas populações aparentam estar aumentando (IUCN).

Referências

Beissinger, S. R. (1983). Hunting behavior, prey selection, and energetics of Snail Kites in Guyana: consumer choice by a specialist. Auk, 100(1), 84-92.

 

Bergmann, F. B., Amaral, H. L. C., Pinto, D. P., Chivittz, C. C., & Tozetti, A. M. (2013). Foraging activity of the snail kite, Rostrhamus sociabilis (Aves: Accipitridae) in wetlands of southern Brazil. Brazilian Journal of Biology, 73(2), 245-252.

 

BirdLife International. 2016. Rostrhamus sociabilis. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22695048A93487191. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22695048A93487191.en. Downloaded on 16 May 2020.

 

Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

 

Menq, W. (2018). Gavião-caramujeiro (Rostrhamus sociabilis). Aves de Rapina Brasil. Recuperado em 16 de maio, 2020, de http://www.avesderapinabrasil.com/rostrhamus_sociabilis.htm

 

Reichert, B. E., C. E. Cattau, R. J. Fletcher, Jr., P. W. Sykes Jr., J. A. Rodgers Jr., and R. E. Bennetts (2020). Snail Kite (Rostrhamus sociabilis), version 1.0. In Birds of the World (A. F. Poole, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. https://doi.org/10.2173/bow.snakit.01

 

Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Sykes Jr, P. W. (1987). Some Aspects of the Breeding Biology of the Snail Kite in Florida (Aspectos de la Reproducción de Rostrhamus sociabilis plumbeus en Florida). Journal of Field Ornithology, 58(2), 171-189.

 

Tubelis, D. P. (2009). Veredas and their use by birds in the Cerrado, South America: a review. Biota Neotropica, 9(3), 363-374.


Wikiaves. (2018). Gavião-caramujeiro. Recuperado em 16 de maio, 2020, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/gaviao-caramujeiro

);