Heterospizias meridionalis (Latham, 1790)

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Gavião Caboclo, Gavião Casaca de Couro, Gavião Telha, Gavião Pardo, Gavião Tinga e Gavião Paracatejê (PA), Gavião Fumaça (MT), Gavião Mariano (CE).

História Natural

Gavião comum típico de áreas abertas, especialmente próximos de água, habita campos, savanas, banhados, manguezais e bordas de mata, e pode ser visto em pastagens ou áreas urbanas arborizadas. Não frequenta o interior de matas ou florestas densas, estando presente apenas em algumas regiões da Amazônia. É bem típico do Cerrado, Pantanal, Caatinga, Mata Atlântica, Pampas, dos Chacos Bolivianos e dos Llanos Venezuelanos. No Cerrado pode ser visto nos campos sujos e campos limpos, nos cerrados típicos, cerradões e veredas, além das bordas de matas de galeria e matas ciliares. Costuma planar, aproveitando as correntes de ar quente para se sustentar no ar, mas também pode ficar pousado por muito tempo em um local com boa visão dos arredores, descansando ou em busca de presas, se empoleirando em árvores, cupinzeiros, e mesmo cercas e postes, ou até no chão. É um caçador oportunista e astuto, se alimentando de uma variedade de animais, como pequenos mamíferos, outras aves, anfíbios, lagartos, cobras, aranhas e insetos, até caranguejos. Pode capturar presas em pleno ar, partindo de um poleiro ou seguindo pelo chão. Costuma se aproveitar de queimadas para caçar, ficando em um galho à frente do fogo para pegar os animais espantados por ele, ou seguindo as chamas por trás para consumir os animais queimados ou machucados, chegando a se aproximar a apenas alguns metros das chamas. Também pode tentar roubar a comida de outras aves, como cegonhas (família Ciconiidae) e garças (família Ardeidae). Costuma ser territorialista, mantendo e defendendo uma área de caça contra outros Gaviões Caboclos, porém quando a comida é abundante, pode tolerar a presença de outros gaviões (família Accipitridae) e até se manter em grupos. Na época reprodutiva, entre julho e novembro, o casal se comunica de forma constante com um assobio fino e longo, repetidamente. Faz seu ninho com gravetos em árvores baixas ou palmeiras, pondo de 1 a 2 ovos.

Descrição

Mede entre 50 e 61 cm de comprimento. Possui uma coloração geral castanho pardo, com um padrão finamente barrado no pescoço, peito e barriga. Suas costas e dorso das asas são escuros. Suas asas são castanho avermelhado com as margens negras, e a cauda é preta com uma faixa branca. Seu olho é castanho, e a base do bico, assim como as pernas, são amarelas.

Distribuição

Sua ocorrência se estende pela América do Sul, ocorrendo na Colômbia, Venezuela, Guianas e Suriname, sudoeste do Equador e extremo noroeste do Peru, Bolívia, Brasil, Paraguai, Uruguai e norte da Argentina, além do Panamá. No Brasil está presente em boa parte do território, sendo mais escasso na região Norte.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerado ameaçado (ICMBio e IUCN), e suas populações podem estar aumentando (IUCN), talvez por estar se beneficiando com o desflorestamento em algumas regiões.

Referências

Bierregaard, R. O. and G. M. Kirwan (2020). Savanna Hawk (Buteogallus meridionalis), version 1.0. In Birds of the World (J. del Hoyo, A. Elliott, J. Sargatal, D. A. Christie, and E. de Juana, Editors). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. https://doi.org/10.2173/bow.savhaw1.01

 

BirdLife International. 2016. Buteogallus meridionalis. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22695832A93529385. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22695832A93529385.en. Downloaded on 16 May 2020.

 

Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.

 

Frederick, P. C., & Bildstein, K. L. (1992). Foraging ecology of seven species of Neotropical ibises (Threskiornithidae) during the dry season in the llanos of Venezuela. Wilson Bulltin, 104(1), 1–21.

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Haverschmidt, F. (1962). Notes on the feeding habits and food of some hawks of Surinam. The Condor, 64(2), 154-158.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

 

Menq, W. (2018). Gavião-caboclo (Heterospizias meridionalis). Aves de Rapina Brasil. Recuperado em 16 de maio, 2020, de http://www.avesderapinabrasil.com/heterospizias_meridionalis.htm

 

Navarro, R., Marín, E. R., & Muñoz, G. J. G. (2007). Notas sobre la ecología reproductiva de tres accipítridos en Venezuela. Ornitología Neotropical, 18(4), 453-457.

 

Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Tubelis, D. P. (2009). Veredas and their use by birds in the Cerrado, South America: a review. Biota Neotropica, 9(3), 363-374.

 

Wikiaves. (2020). Gavião-caboclo. Recuperado em 16 de maio, 2020, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/gaviao-caboclo

);