Pseudastur albicollis (Latham, 1790)

Nome(s) popular(es)

Gavião Branco, Gavião Pombo da Amazônia.

História Natural

O Gavião Branco é um gavião incomum típico de florestas densas. Pode ser visto pousado no alto de uma árvore na beira da mata, onde se mantém observando os arredores, ou sobrevoando alto em círculos, aproveitando as correntes térmicas das horas mais quentes da manhã. No Brasil, é nativo principalmente da Amazônia, mas pode ser visto nas matas de galeria e matas ciliares mais densas do Cerrado. Se alimenta principalmente de répteis, notoriamente cobras, além de lagartos, como o Lagarto Preguiça, pequenos mamíferos, anfíbios, insetos e outras aves, como o Xexéu. Se desloca de galho em galho até encontrar uma presa, quando ataca com um voo rápido. Pode seguir grupos de Macaco Prego pela copa das árvores, possivelmente Quatis também, a fim de capturar cobras arborícolas ou insetos que possam se espantar por eles enquanto se movimentam. Não se sabe muito sobre sua reprodução, porém constrói ninhos com galhos secos no alto das árvores, onde põe geralmente apenas um ovo.

Descrição

Mede entre 43 e 56 cm de comprimento. Sua coloração é branca na cabeça, pescoço, peito e barriga, com um manto negro pelas costas e parte superior das asas, onde há pequenas manchas brancas. Suas asas são largas e possuem as bordas pretas com a área interna branca. Sua cauda, relativamente curta, possui a base branca, seguida de uma faixa preta no meio e outra faixa branca na ponta. Suas patas são amarelas, seu olho é castanho negro, e a região na base do seu bico é cinza azulado.

Distribuição

Sua ocorrência se estende do sul do México ao Brasil central, incluindo a América Central, Colômbia, Venezuela, Guianas, Suriname, leste do Equador, do Peru, e partes da Bolívia. No Brasil está presente principalmente nas regiões Norte e Centro-Oeste, além do MA.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerado ameaçado (ICMBio e IUCN), mas suas populações podem estar diminuindo (IUCN). O desmatamento é uma grande ameaça para suas populações, visto que é típico de áreas densamente florestadas.

Referências

Beebe, W. (1944). Field notes on the lizards of Karbabo, British Guiana, and Caripito, Venezuela. Part 2. Iguanidae. Zoologica 29: 195-216.

 

BirdLife International. 2016. Pseudastur albicollis. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22695786A93527923. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22695786A93527923.en. Downloaded on 29 June 2020.

 

Booth-Binczik, S. D., Binczik, G. A., & Labisky, R. F. (2004). A possible foraging association between White Hawks and White-nosed Coatis. The Wilson Journal of Ornithology, 116(1), 101-103.

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

 

Magnier, B. and T. S. Schulenberg (2020). White Hawk (Pseudastur albicollis), version 1.0. In Birds of the World (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. https://doi.org/10.2173/bow.whihaw1.01

 

Menq, W. (2018). Gavião-branco (Pseudastur albicollis). Aves de Rapina Brasil. Recuperado em 29 de junho, 2020, de http://www.avesderapinabrasil.com/leucopternis_albicollis.htm

 

Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, E. F., & Campos, C. E. C. (2011). Nidificação, predação e nidoparasitismo em colônias de Cacicus cela (AVES: ICTERIDAE) na Amazônia Oriental, Amapá, Brasil. Biota Amazônia, 1(2), 8-16.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Wikiaves. (2018). Gavião-branco. Recuperado em 29 de junho, 2020, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/gaviao-branco


Zhang, S., & Wang, L. (2000). Following of brown capuchin monkeys by white hawks in French Guiana. The Condor, 102(1), 198-201.

);