Bubulcus ibis (Linnaeus, 1758)

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Garça Vaqueira, Garça Carrapateira, Garça Boiadeira, Garça Boieira, Cunacoi, Cupara.

História Natural

Uma das garças (família Ardeidae) mais abundantemente e amplamente distribuída do mundo, está associada a rebanhos de grandes pastadores, sendo tipicamente encontrada em pastos e plantações, além de ocasionalmente em margens de lagos e pântanos, estando menos associada com ambientes aquáticos do que a maioria das outras garças. É mais abundante no Pantanal, e no Cerrado pode ser encontrada em campos úmidos, porém é mais comum em áreas de uso agrícola, sendo uma das poucas espécies que se beneficia com a expansão da agropecuária. Se alimenta basicamente de insetos, como besouros, lagartas e borboletas, libélulas, moscas, cigarras e carrapatos, se aproveitando dos rebanhos bovinos que atraem muitos desses insetos ou os espantam da grama enquanto se locomovem. Também podem apanhar alguns sapos, lagartos, e até pequenos roedores ocasionalmente. É originária da África, chegando nas Américas recentemente, há cerca de 150 anos, onde se espalhou com sucesso devido à abundância de rebanhos de gado e falta de competição com outras aves insetívoras associadas a grandes pastadores. Apesar de não se alimentarem próximo à água, fazem seus ninhos em grandes colônias sobre árvores ou arbustos nas margens, ou próximos de lagos e rios. O macho recolhe material e a fêmea constrói o ninho, feito com gravetos, onde são postos de 4 a 5 ovos esverdeados, incubados por ambos os pais. Seus filhotes podem ser predados por gaviões (família Acciptridae) e falcões (família Falconidae).

Descrição

Mede entre 46 e 56 cm de comprimento. De cor branca, na época reprodutiva apresenta penas compridas na crista, peito e porção traseira do dorso, de coloração creme, laranja pálido, bico avermelhado e patas rosadas. Fora da estação reprodutiva permanece toda branca, se diferenciando da Garça Branca Pequena pelo bico amarelo e mais curto que o desta, que é preto.

Distribuição

Possui ampla distribuição pelo mundo todo, ocorrendo nas Américas (do Canadá ao extremo sul da Argentina), África, sul e sudeste Asiático e Oceania (incluindo Austrália e Nova Zelândia). No Brasil ocorre em todos os estados.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerada ameaçada (ICMBio e IUCN), e suas populações mostram sinais de aumento.

Referências

Arendt, W. J. (1988). Range expansion of the cattle egret (Bubulcus ibis) in the Greater Caribbean basin. Colonial Waterbirds, 11(2), 252-262.


Bella, S. D., & de Azevedo-Júnior, S. M. (2010). Composição da dieta da garça-vaqueira, Bubulcus ibis (Linnaeus, 1758)(Ciconiiformes; Ardeidae) no Agreste Pernambucano, nordeste do Brasil. Ornithologia, 2(2), 65-71.


BirdLife International 2016. Bubulcus ibis. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22697109A86454050. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22697109A86454050.en. Downloaded on 01 December 2019.


Burns, E. C., & Chapin, J. B. (1969). Arthropods in the diet of the cattle egret, Bubulcus ibis in southern Louisiana. Journal of Economic Entomology, 62(3), 736-738.


Cattle Egret (Bubulcus ibis), In Neotropical Birds Online (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. retrieved from Neotropical Birds Online: https://neotropical.birds.cornell.edu/Species-Account/nb/species/categr


Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.


Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.


Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.


Martínez-Vilalta, A., Motis, A. & Kirwan, G.M. (2019). Cattle Egret (Bubulcus ibis). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from https://www.hbw.com/node/52697 on 1 December 2019).


Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.


Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.


Wikiaves. (2018). Garça-vaqueira. Recuperado em 1 de dezembro, 2019, de https://www.wikiave s.com.br/wiki/garca-vaqueira

);