Agamia agami (Gmelin, 1789)

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Garça da Mata, Socó Azul, Socó Beija Flor, Garça da Guiana,  Garça de Peito Castanho, Garça Beija Flor.

História Natural

Ave incomum, escassa e arredia, associada a ambientes aquáticos. Seus hábitos não são muito conhecidos. Pode ser encontrada principalmente nas margens de riachos, córregos e pequenos rios em meio à floresta densa, onde costuma se manter escondida entre a vegetação, empoleirada. Pode ocorrer também em lagoas, pântanos, manguezais e outros pequenos corpos d’água, quase nunca sendo vista em águas abertas. No Cerrado ocorre em matas de galeria e matas ciliares. Se mantém longos períodos imóvel na beira da água, ou se movendo vagarosamente, aguardando que algum peixe entre em seu alcance, quando então usa seu pescoço longo e arqueado e o bico fino e comprido para desferir um bote firme, apunhalando a presa. Também pode se alimenter de insetos, ocasionalmente. Costumam viver solitários, porém na época reprodutiva, que vai de junho a setembro, se unem em casais monogâmicos e constroem ninhos com gravetos e ramos sobre árvores e arbustos na beira da água, geralmente em grandes colônias. Põe de 1 a 4 ovos azulados ou esverdeados. Buscam alimento para os filhotes de noite e distante do ninho.

Descrição

Mede entre 65 e 76 cm de comprimento. É a garça (família Ardeidae) mais colorida entre as encontradas no Brasil. Possui a face clara (rosada na época de reprodução), com as laterais da cabeça e testa negras esverdeadas, e penas longas na nuca que formam um penacho esbranquiçado, ou cinza azulado, que pode estar abaixado sobre o pescoço. Laterais do pescoço castanho avermelhado, com uma faixa castanha margeada por duas finas faixas brancas que descem da garganta até o peito, formando largas manchas branco azuladas, de aspecto estriado, nas laterais deste. Barriga e “ombros” castanho avermelhado, com o meio do dorso e asas de um negro esverdeado. Patas escuras, relativamente curtas. Bico extremamente longo (14 a 15 cm) e fino, escuro por cima e claro por baixo. Olho avermelhado.

Distribuição

Ocorre do México à Bolívia, incluindo a América Central, Colômbia, Venezuela, Guianas, Suriname, leste do Equador e Peru. No Brasil está presente principalmente na região Norte, além do TO, GO, DF, MT e MS.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerada ameaçada no Brasil (ICMBio), porém é considerada globalmente vulnerável (IUCN). 

Referências

Agami Heron (Agamia agami), In Neotropical Birds Online (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. retrieved from Neotropical Birds Online: https://neotropical.birds.cornell.edu/Species-Account/nb/species/agaher1

 

BirdLife International 2016. Agamia agami. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22697200A93602031. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22697200A93602031.en. Downloaded on 01 December 2019.

 

Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

 

Kushlan, J. A., & Hines, K. (2016). Behavior of the Agami Heron (Agamia agami). Waterbirds, 39(2), 187-192.

 

Martínez-Vilalta, A., Motis, A., Kirwan, G.M. & Sharpe, C.J. (2019). Agami Heron (Agamia agami). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from https://www.hbw.com/node/52705 on 1 December 2019).

 

Reynaud, P. A., & Kushlan, J. A. (2004). Nesting of the Agami Heron. Waterbirds, 27(3), 308-311.

 

Ruiz-Guerra, C., & Echeverry-Galvis, M. Á. (2019). Prey consumed by wading birds in mangrove swamps of the Caribbean coast of Colombia. Journal of Natural History, 53(29-30), 1823-1836.

 

Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Stier, A., Ricardou, A., Uriot, S., De Pracontal, N., & Kushlan, J. A. (2017). Breeding season home range and migration of the Agami Heron (Agamia agami). Waterbirds, 40(3), 289-296.

 

Wikiaves. (2019). Garça-da-mata. Recuperado em 30 de novembro, 2019, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/garca-da-mata

);