Ardea alba Linnaeus, 1758

Vocalização

Nome(s) popular(es)

História Natural

Ave associada a ambientes aquáticos de todos os tipos. É uma das garças (família Ardeidae) mais abundantes e amplamente distribuídas pelo mundo. Está presente nas margens de rios, lagos, brejos, pântanos, chacos e banhados, manguezais e estuários, e até em represas e lagos artificiais. Pode ser vista comumente em abientes urbanos, próxima a corpos d’água ou sobrevoando a cidade, se deslocando entre locais de alimentação e repouso. No Cerrado ocorre em veredas, campos alagados, matas de galeria e matas ciliares. Caça caminhando lentamente ou se mantendo imóvel nas margens dos corpos d’água, entre a vegetação aquática ou sobre a água rasa. Se alimenta de uma variedade de itens, como peixes, anfíbios, cobras e outros pequenos répteis (até tartarugas), insetos aquáticos e até pequenos roedores e filhotes de outras aves. Astuta, pode utilizar pedaços de pão como isca para atrair peixes. Entre seus potenciais predadores estão o Gavião Pato e a Garça Moura, que pode capturar seus filhotes. Faz seus grandes ninhos com gravetos, em colônias numerosas com outras aves aquáticas sobre árvores próximas à água. Já foi muito caçada no passado pelas penas longas e delicadas que descem de suas costas na época reprodutiva, pois eram apreciadas como adornos para chapéus e roupas na Europa, porém felizmente essa prática já não é comum e suas populações são bem numerosas atualmente.

Descrição

Mede entre 80 e 104 cm de comprimento. É a segunda maior garça (família Ardeidae) no Brasil. Sua coloração é totalmente branca. Possui pescoço e pernas longos e esguios. O bico e o olho são amarelos, e a pele entre ambos, apesar de amarela, pode ser esverdeada. Suas patas são negras. Na época reprodutiva apresenta longas penas finas e brancas no dorso.

Distribuição

Possui uma ampla distribuição pelas regiões tropicais e subtropicais do mundo todo, ocorrendo Nas Américas, Europa, África, Ásia e Oceania, incluindo Austrália e Nova Zelândia. Nas Américas, ocorre dos Estados Unidos ao sul da Argentina e Chile, incluindo as ilhas caribenhas. No Brasil está presente em todos os estados.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerada ameaçada (ICMBio e IUCN).

Referências

BirdLife International 2016. Ardea alba. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22697043A86468751. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22697043A86468751.en. Downloaded on 08 December 2019.


Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.


Germano, D. J. & Buchroeder, B (2018). Predation of a Western Pond Turtle (Actinemys marmorata) by a Great Egret (Ardea alba). Western Wildlife, 5, 13-15.


Great Egret (Ardea alba), In Neotropical Birds Online (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. retrieved from Neotropical Birds Online: https://neotropical.birds.cornell.edu/Species-Account/nb/species/greegr


Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.


Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.


Martínez-Vilalta, A., Motis, A., Kirwan, G.M. & Boesman, P. (2019). Great White Egret (Ardea alba). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from https://www.hbw.com/node/52684 on 8 December 2019).


Réglade, M. A., dos Santos, A. C., & Mitchell, K. (2015). First records of active bait fishing for Great (White) Egrets (Ardea alba). Journal of Heron Biology and Conservation, 12(2), 1-4.


Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.


Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.


Sovrano, L. V., & Beltzer, A. H. (2018). Pesca con cebo activo por Ardea alba (Pelecaniformes: Ardeidae) en Argentina. Cuadernos de Investigación UNED, 10(1), 147-150.


Wikiaves. (2019). Garça-branca-grande. Recuperado em 8 de dezembro, 2019, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/garca-branca-grande


Zimorski, S. E., Perkins, T. L., & Selman, W. (2013). Chelonian species in the diet of reintroduced Whooping Cranes (Grus americana) in Louisiana. The Wilson Journal of Ornithology, 125(2), 420-423.

);