Seu Josué

Josué Faustino de Souza, Seu Josué – como carinhosamente é conhecido, nasceu em Cuitegi, no Estado da Paraíba, porém reside em Goiás desde 1988, na cidade de Teresina de Goiás (GO).

 

Conquista as pessoas com seu jeito simples de ser e agir. Defensor apaixonado do Cerrado, desenvolve um trabalho exemplar na Chapada dos Veadeiros. É artesão, músico e compositor, com atividades voltadas para a causa ambiental.

 

A vida dura e difícil o obrigou a aprender vários ofícios: já foi sacristão, marceneiro, pedreiro, faxineiro e hoje se destaca com o artesanato e a música. A voz de Josué como vocalista no Grupo Fruto do Cerrado é mais um clamor em defesa ao bioma.

Ele tem muito do menino pobre do interior da Paraíba, cuja mãe costurava numa máquina de mão até as madrugadas para pagar a escola – e coisa rara no sertão era filho de pobre estudar. Uma história que emociona: “Minha mãe, depois de trabalhar na roça, ainda costurava até tarde noite numa maquininha de mão pra pagar minha escola… Coitada, morreu com o sonho de ter uma máquina de pé…”, relembra ele.

 

Sua mãe sabia ler e escrever muito pouco, aprendeu sem nunca ter ido à escola, trabalhando na cozinha e olhando as filhas da patroa estudando. Quando reprimida, ficava de costas, ouvindo e gravando na mente para treinar depois. Certamente esse passado a fez ser a grande incentivadora de tudo: tinha o sonho de ver o filho alfabetizado e artista.

 

Desde pequeno, Josué já era inclinado a cantar. E assim diz:

 

“Gente, esse negócio de música começou quando eu tinha 7 anos de idade, na Paraíba. De tanto eu querer tocar e cantar, minha mãe vendeu cinco galinhas gordas e comprou uma violinha velha pra mim”.

 

Continua: “Esta noite eu nem dormi, ficava ouvindo as músicas no rádio e treinando na violinha. Minha inspiração maior veio do cantor Teixeirinha”.

 

Como músico autodidata, já ministrou aulas de música popular, sempre trazendo temas relacionados ao meio ambiente e, segundo ele, relatando a realidade do povo sofrido.

Quanto ao artesanato, sua primeira experiência foi em associações em Brasília, com Manuela Alves de Souza (Dona Manu), fiandeira e tecelã, com a qual se casou e tem sete filhos. Mudaram para a Chapada dos Veadeiros e ele se tornou amigo do Cerrado, que lhe fornece a matéria-prima para o sustento da família. Trabalha com buriti, taboca, cipós, taquari, fibras vegetais e argila.

Faz um desabafo: “Com 62 anos de idade, estou me sentindo cansado, quero aposentar, mas está difícil. Trabalho pesado todos esses anos…”.

 

O sonho de Josué é conseguir um dia rever a terra natal. Emocionado, diz: “Nunca mais voltei à minha terra, gostaria de rever meus parentes, alguns amigos que ainda estão vivos e levar a família para conhecer…”.

 

No documentário sobre Josué, Cerrado em pé, da Pervintin Filmes, o jornalista Sandro Neiva escreve: “Josué Faustino de Souza é artesão e vive em Teresina de Goias, na Chapada dos Veadeiros. Ao mesmo tempo em que utiliza fibras do Cerrado como matéria-prima de seu ganha-pão, desenvolve um trabalho de replantio de espécies raras e nativas do bioma. Não possui escolaridade, mas sua relação de nobreza com o meio ambiente e o discurso arrebatador em defesa do Cerrado deixou perplexa uma plateia composta de gestores públicos, gerentes de ONGs, políticos, mestrandos, doutorandos, ativistas ambientais, jornalistas, antropólogos, universitários e diretores ministeriais do Governo Federal”.

A atuação de Josué é intensa e contribui para mudança na comunidade. Ele ajuda crianças em situação de risco com oficinas de artesanato. Sabe que não vai conseguir mudar o mundo e diz: “Existem coisas que não conseguimos mudar, mas nosso exemplo de vida é a maior contribuição. A lição do meio ambiente começa com a gente mesmo, só se pode ensinar para os outros o que a gente consegue ser”.

 

Em 2019 nosso querido Seu Josué foi agraciado com o Prêmio Selma do Coco de Mestres de Culturas Populares do Ministério da Cultura, pelo conjunto de sua obra e dedicação à transmissão de seus saberes junto à comunidade local.

 

Trechos de músicas de Seu Josué: http://palcomp3.com/frutodocerrado/

 

Fonte: https://www.encontroteca.com.br/grupo/josue-faustino-de-souza

Outras mídias sobre Seu Josué e seu trabalho como Raizeiro, Artesão e Músico:

 

Raizeiro e artesão do município de Teresina de Goiás, Josué Faustino de Souza, o Seu Josué, conta sobre o seu encantamento pela vida em contato com a natureza, exaltando a biodiversidade do Cerrado e destacando sua paixão especial pelo Buriti, espécie de palmeira nativa, símbolo do 3º Encontro Raízes:

 

“Eu fui nascido e criado na natureza e sou feliz por morar num lugar onde muitos ainda preservam o Cerrado, embora alguns queiram ter lucros exorbitantes em detrimento da vida, acabando com a biodiversidade, principalmente o Buriti. O Buriti para mim é como uma pessoa, porque ele complementa a vida humana, pois muitos dele dependem e nas veredas é o mais imponente. Eu tive uma ideia que quero passar para todos os admiradores da medicina natural: temos que criar uma cadeia nacional de medicina alternativa natural, que seja uma instituição em benefício da saúde e da natureza”, argumenta.

 

 

O casal de mestres Seu Josué e Dona Manu ilustra o décimo vídeo do projeto Mestres e Aprendizes na Chapada dos Veadeiros. Em meio a cantorias, os dois falam dos caminhos da vida, fiando o algodão e poetizando o Cerrado. Versos e sorrisos entremeiam as sabedorias de Josué Faustino de Souza e Manuela Alves de Souza, que há 48 anos estão juntos em seu amor, enfrentando as dificuldades com arte e cultura, elegantes como os buritis.