Theristicus caudatus (Boddaert, 1783)

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Curicaca, Carucaca, Curicaca Comum, Curicaca Branca, Curicaca de Pescoço Branco, Caricaca (MG), Despertador (Pantanal).

História Natural

Ave comum, típica de ambiente abertos e campestres, é encontrada em campinas secas e úmidas, brejos, savanas e áreas florestadas não muito densas, inclusive em pastagens e áreas urbanas, onde cada vez mais pode ser vista caminhando pelos gramados. É nativa do Cerrado, Pantanal, Pampas, Chacos Bolivianos e Llanos Venezuelanos. No Cerrado está presente em campos limpos, campos sujos, campos alagados, savanas e veredas. Vive em pequenos grupos e vocaliza bastante, possuindo um canto potente e nasal. Se alimenta de uma diversidade de itens animais, incluindo insetos, aranhas, centopeias, vermes, caramujos, anfíbios, pequenos lagartos e serpentes, pequenos roedores e aves menores. Busca seu alimento de dia e ao pôr-do-sol, vasculhando a terra e o estrato rasteiro com seu longo bico. Pode ser predada pelo Gavião de Penacho, e seus ovos e filhotes podem ser predados pelo Carcará, Jacurutu, Falcão Peregrino, Águia Chilena e o Tucano. Faz seus ninhos com gravetos e em grandes colônias, sobre árvores, sobre rochas em campos ou em paredões rochosos, pondo de 2 a 4 ovos.

Descrição

Mede entre 71 e 76 cm de comprimento. Seu bico é cinza escuro, longo, fino e curvo, e a pele da região da face é negra e sem penas, com os olhos vermelhos. Possui o topo da cabeça, base do pescoço (tanto no dorso quanto no ventre) e peito de cor castanho avermelhado vibrante, com o resto da cabeça e pescoço de cor clara, amarelada e pálida. Seu dorso é cinzento, e possui uma grande mancha branca sobre as asas. Sua barriga é negra, e suas patas são avermelhadas.

Distribuição

Está presente em regiões amplas e dispersas pela América do Sul, principalmente no norte dela, na Colômbia, Venezuela, Suriname e Guianas, na foz do rio Amazonas e no Brasil central, incluindo o Paraguai, leste da Bolívia, nordeste da Argentina e Norte do Uruguai. No Brasil ocorre principalmente no Centro-Oeste e no Sul, além dos estados de SP, MG, BA, PI, CE, MA, e em RR, AP, PA, AM e RO.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerada ameaçada (ICMBio e IUCN), e suas populações se mostram estáveis.

Referências

BirdLife International 2016. Theristicus caudatus . The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22697441A93614046. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22697441A93614046.en. Downloaded on 21 December 2019.

 

Buff-necked Ibis (Theristicus caudatus), In Neotropical Birds Online (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. retrieved from Neotropical Birds Online: https://neotropical.birds.cornell.edu/Species-Account/nb/species/bunibi1

 

Donâzar, J. A., Ceballos, O., Travaini, A., Rodriguez, A., Funes, M., & Hiraldo, F. (1994). Breeding performance in relation to nest-site substratum in a Buff-necked Ibis (Theristicus caudatus) population in Patagonia. The Condor, 96(4), 994-1002.

 

Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.

 

Donázar, J. A., Travaini, A., Rodríguez, A., Ceballos, O., & Hiraldo, F. (1996). Nesting association of raptors and buff-necked ibis in the Argentinean Patagonia. Colonial Waterbirds, 111-115.

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

 

Matheu, E., del Hoyo, J., Garcia, E.F.J. & Boesman, P. (2019). Buff-necked Ibis (Theristicus caudatus). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from https://www.hbw.com/node/52768 on 21 December 2019).

 

Moroni, E., Batisteli, A. F., & Guillermo-Ferreira, R. (2017). Toco Toucan (Ramphastos toco) predation on Buff-Necked Ibis (Theristicus caudatus) nests.. Ornitología Neotropical, 28, 291-294.

 

Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Wikiaves. (2018). Curicaca. Recuperado em 20 de dezembro, 2019, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/curicaca

);