Mesembrinibis cayennensis (Gmelin, 1789)

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Coró Coró, Caraúna, Curubá, Curicaca Parda, Tapicuru, Íbis Verde, Coroca.

História Natural

Ave comum de matas úmidas, lamacentas ou alagadas, é considerado o único íbis (família Threskiornithidae) tipicamente florestal. Ocorre em vários tipos de florestas tropicais da América do Sul, como a Amazônia, a Mata Atlântica, e as matas do Cerrado, além de estar presente em áreas urbanas arborizadas. No Cerrado é encontrado principalmente em matas de galeria, matas ciliares e veredas, e ocasionalmente em campos alagados. Normalmente se mantém sozinho ou aos pares, e vocaliza bastante no começo do dia, ou ao voar assustado pela aproximação de alguém. Seu canto é trêmulo e rouco, bem característico. Se alimenta vasculhando o solo lamacento ou a água rasa com seu bico longo, capturando insetos (gafanhotos, besouros), minhocas, caramujos, alguns crustáceos, frutos e plantas aquáticas. Pode ser predado pelo Gavião Relógio. Faz seu ninho com gravetos no alto das árvores de matas úmidas, e seus ovos são pardos esverdeados.

Descrição

Mede entre 48 e 58 cm de comprimento. Sua coloração geral é escura com reflexos metálicos esverdeados, e sob pouca luz pode parecer totalmente preto. Sua face é cinzenta, com cabeça, pescoço, peito e barriga negros. Possui penas verdes brilhosas espalhadas pela nuca e dorso do pescoço. Suas asas e dorso no geral apresentam tons verdes e cobre. Seu bico é fino e curvo, cinza esverdeado, assim como suas patas.

Distribuição

Possui ampla distribuição pela América do Sul, ocorrendo desde a Nicarágua até o sul do Brasil e extremo nordeste da Argentina, incluindo todos os países sul-americanos, exceto o Chile e o Uruguai. No Brasil está presente em quase todo o território, com exceção do Nordeste, onde só ocorre no MA, oeste do PI e sudoeste da BA, e no RS, onde só ocorre no norte do estado.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerado ameaçado (ICMBio e IUCN), porém suas populações tendem a diminuir (IUCN).

Referências

BirdLife International 2016. Mesembrinibis cayennensis . The IUCN Red List of 

Threatened Species 2016: e.T22697460A93614511. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22697460A93614511.en. Downloaded on 20 December 2019.

 

Carrara, L. A., Antas, P. D. T. Z., & Yabe, R. S. (2007). Nidificação do gavião-relógio Micrastur semitorquatus (Aves: Falconidae) no Pantanal Mato-grossense: dados biométricos, dieta dos ninhegos e disputa com araras. Revista Brasileira de Ornitologia, 15(1), 85-93.

 

Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Hancock, J., Kushlan, J. A., & Kahl, M. P. (2010). Storks, ibises and spoonbills of the world. A&C Black.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

 

Matheu, E., del Hoyo, J., Boesman, P. & Kirwan, G.M. (2019). Green Ibis (Mesembrinibis cayennensis). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from https://www.hbw.com/node/52771 on 20 December 2019).

 

Molfetto, D. (2011). Green Ibis (Mesembrinibis cayennensis), version 1.0. In Neotropical Birds Online (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. https://doi.org/10.2173/nb.greibi1.01

 

Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Villegas-Retana, S. A. (2015). Nuevas observaciones sobre la dieta del Zopilote Rey (Sarcoramphus papa) e Ibis Verde (Mesembrinibis cayennensis), Suerre, Costa Rica. Zeledonia, 19(2), 120-124.

 

Wikiaves. (2018). Coró-cocó. Recuperado em 20 de dezembro, 2019, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/coro-coro

);