Platalea ajaja Linnaeus, 1766

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Colhereiro, Colhereiro Americano, Ajajá.

História Natural

Ave comum associada a ambientes aquáticos, pode ser vista em manguezais, brejos, charcos, lagoas salobras e de água doce, e margens de rios. É típico do Cerrado, Pantanal, Mata Atlântica, Pampas, os Chacos Bolivianos e os Llanos Venezuelanos. No Cerrado pode ser visto em veredas, campos alagados, matas de galeria e matas ciliares. Realiza migrações sazonais e vive em grupos. Se alimenta filtrando a água com o bico especializado, o mergulhando e sacudindo na água para capturar peixes, pequenos anfíbios, insetos aquáticos, crustáceos (especialmente camarões) e moluscos. Sua cor rosada provém de substâncias (carotenóides) presentes no seu alimento. Pode ser predado pela Sucuri, e seus filhotes e ovos possivelmente pelo Carcará e o Gavião Carijó. Se reproduz em colônias juntamente com outras espécies de aves aquáticas, fazendo ninhos com gravetos e capim seco em árvores próximas da água. A fêmea põe de 2 a 4 ovos.

Descrição

Mede entre 68 e 86 cm de comprimento. Sua coloração geral é rosada, com tons variados. Nas asas, dorso e barriga o rosa é mais intenso, podendo apresentar penas avermelhadas em algumas regiões, enquanto no pescoço a cor é esbranquiçada, por vezes totalmente branco. As patas e os olhos são avermelhados. A cabeça é nua, e possui tons amarelos, com uma mancha negra circundando-a pelas laterais na estação reprodutiva. Seu bico cinzento é longo e achatado, com a ponta larga e arredondada, bem característico, lembrando uma colher.

Distribuição

Possui ampla distribuição pelas Américas, ocorrendo do extremo sul dos Estados Unidos ao leste da Argentina, incluindo as regiões costeiras da América Central, as ilhas caribenhas e todos os países da América do Sul. No Brasil está presente em praticamente todos os estados, porém sua principal ocorrência é no Centro Oeste, Sudeste e Sul.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerado ameaçado (ICMBio e IUCN) e suas populações se mostram estáveis.

Referências

BirdLife International 2016. Platalea ajaja . The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22697574A93621961. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22697574A93621961.en. Downloaded on 30 December 2019.

 

Britto, V. O., & Bugoni, L. (2015). The contrasting feeding ecology of great egrets and roseate spoonbills in limnetic and estuarine colonies. Hydrobiologia, 744(1), 187-210.

 

Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

 

Matheu, E., del Hoyo, J., Kirwan, G.M., Garcia, E.F.J. & Boesman, P. (2019). Roseate Spoonbill (Platalea ajaja). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from https://www.hbw.com/node/52784 on 30 December 2019).

 

Roseate Spoonbill (Platalea ajaja), In Neotropical Birds Online (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. retrieved from Neotropical Birds Online: https://neotropical.birds.cornell.edu/Species-Account/nb/species/rosspo1

 

Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Sovrano, L. V., Beltzer, A. H., Regner, S. A., Lorenzón, R. E., Leon, E. J., Olguin, P. F., & Rocha, A. (2018). Reproductive biology of the roseate spoonbill platalea ajaja in Santa Fe, Argentina. Revista Catalana d’Ornitologia, 34, 11-18.

 

Wikiaves. (2018). Colhereiro. Recuperado em 30 de dezembro, 2019, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/colhereiro

);