Plegadis chihi (Vieillot, 1817)

Nome(s) popular(es)

Caraúna.

História Natural

Ave associada a ambientes alagados, pode ser encontrada próxima a corpos de água doce, como rios, lagoas, pântanos e brejos, inclusive campos de plantio irrigado, como de arroz. É típica dos Pampas, Pantanal, Chacos Bolivianos e outras áreas úmidas, e ocorre no Cerrado principalmente nas regiões próximas a esses biomas, em campos alagados, veredas, matas de galeria e matas ciliares. Vive em bandos e se reúne às margens de rios e lagos. Se alimenta pela água rasa, capturando vermes, aranhas, insetos aquáticos, peixes, moluscos e crustáceos. Se reproduz em colônias, juntamente com outras aves aquáticas, e pode fazer seu ninho em árvores e arbustos, com galhos e ramos, ou no chão com junco, capim e plantas aquáticas, onde põe de 3 a 4 ovos azul esverdeados. O casal choca os ovos e cuida dos filhotes juntos. Seus ovos e filhotes podem ser predados pelo Socó Dorminhoco, Jacurutu, gaviões (família Accipitridae) e Guaxinins.

Descrição

Mede entre 46 e 66 cm de comprimento. Possui uma coloração marrom avermelhado escuro, com tons metálicos roxos e esverdeados na cabeça, pescoço, e principalmente no dorso e na asa, que é bem esverdeada. Seu bico é longo e curvo, de cor pálida rosada, e as patas são cinza rosado. Seu olho é vermelho, e durante a estação reprodutiva apresenta a pele da face nua e vermelha, com uma linha branca rodeando a face.

Distribuição

Possui duas regiões de ocorrência, uma na América do Norte, indo do México ao Canadá, e outra na América do Sul, estando presente no Brasil, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Argentina e Chile, a oeste dos Andes. No Brasil ocorre principalmente nos estados do Sul, além de SP, MS, sul de MG e de MT.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerada ameaçada (ICMBio e IUCN), e suas populações parecem estar aumentando (IUCN).

Referências

BirdLife International 2016. Plegadis chihi. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22697426A93613243. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22697426A93613243.en. Downloaded on 10 December 2019.

 

Bray, M. P., & Klebenow, D. A. (1988). Feeding ecology of white-faced ibises in a Great Basin valley, USA. Colonial Waterbirds, 24-31.

 

Dark-Smiley, D., & Keinath, D. A. (2003). Species assessment for White-faced ibis (Plegadis chihi) in Wyoming. State Office Cheyenne. Wyoming: United States Department of the Interior Bureau of Land Management.

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

 

Matheu, E., del Hoyo, J., Garcia, E.F.J., Boesman, P. & Kirwan, G.M. (2019). White-faced Ibis (Plegadis chihi). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from https://www.hbw.com/node/52776 on 10 December 2019).

 

Ryder, R. A. (1967). Distribution, migration and mortality of the White-faced Ibis (Plegadis chihi) in North America. Bird-Banding, 38(4), 257-277.

 

Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Soave, G. E., Camperi, A. R., Darrieu, C. A., Cicchino, A. C., Ferretti, V., & Juarez, M. (2006). White-faced Ibis diet in Argentina. Waterbirds, 29(2), 191-197.

 

White-faced Ibis (Plegadis chihi), In Neotropical Birds Online (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. retrieved from Neotropical Birds Online: https://neotropical.birds.cornell.edu/Species-Account/nb/species/whfibi


Wikiaves. (2018). Caraúna. 2018. Recuperado em 10 de dezembro, 2019, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/carauna

);