Mycteria americana Linnaeus, 1758

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Cabeça Seca, Passarão, Cabeça de Pedra (MT), Trepa Moleque (MT), Jaburu Moleque, João Grande (RS), Padre.

História Natural

É uma ave grande e comum, associada a corpos d’água, como manguezais, pântanos, lagoas e rios, principalmente aqueles imersos em vegetação florestal. Podem ser vistos em grandes grupos, pousados no chão, na água rasa, em árvores, ou planando alto. No Cerrado pode ser visto em matas de galeria, matas ciliares, veredas e campos alagados. Se alimenta revirando o fundo lodoso dos corpos d’água com as patas para espantar suas presas, capturando peixes, anfíbios, pequenos répteis (como tartarugas) e moluscos. As condições ideais para sua alimentação são na estação seca, quando os corpos d’água ficam mais rasos e as presas mais concentradas neles. Faz grandes ninhos com gravetos em árvores próximas à água, de forma colonial, onde uma mesma árvore pode sustentar diversos ninhos. Seus filhotes podem ser predados por Guaxinins.

Descrição

Mede entre 86 e 102 cm. Possui pernas, pescoço e bico compridos, coloração branca uniforme, com penas das asas e cauda pretas, que podem estar escondidas quando está repousando mas ficam evidente quando em voo. O pescoço e a cabeça são nus, com pele cinzenta e de aspecto ressecado bem característico, com placas ósseas evidentes na cabeça.

Distribuição

Possui ampla distribuição pelas Américas, ocorrendo do sudeste e sudoeste dos Estados Unidos ao nordeste da Argentina, incluindo Cuba, estando presente de forma abundante em todo o Brasil.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerado ameaçado (ICMBio e IUCN), porém suas populações podem estar diminuindo (IUCN).

Referências

BirdLife International 2016. Mycteria americana. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22697648A93627312. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22697648A93627312.en. Downloaded on 09 November 2019.


Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.


Coulter, M. C., & Bryan Jr, A. L. (1995). Factors affecting reproductive success of Wood Storks (Mycteria americana) in east-central Georgia. The Auk, 112(1), 237-243.


Elliott, A., Garcia, E.F.J., Kirwan, G.M. & Boesman, P. (2019). Wood Stork (Mycteria americana). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from https://www.hbw.com/node/52733 on 9 November 2019).


Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.


Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.


Salera Junior, G., Malvasio, A., & Portelinha, T. C. G. (2009). Avaliação da predação de Podocnemis expansa e Podocnemis unifilis (Testudines, Podocnemididae) no rio Javaés, Tocantins. Acta Amazonica, 39(1), 207-213.


Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.


Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.


Wood Stork (Mycteria americana), In Neotropical Birds Online (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. retrieved from Neotropical Birds Online: https://neotropical.birds.cornell.edu/Species-Account/nb/species/woosto


Wikiaves. (2018). Cabeça-seca. Recuperado em 9 de novembro, 2019, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/cabeca-seca

);